Se essa rua fosse minha

///Se essa rua fosse minha
Se essa rua fosse minha 2019-05-18T20:28:11+00:00

May 2019

City Organizer and Walk Leader: Clarissa Souza
Photographs by: Andrei Krichinak e Matheus Camargo

Se essa rua, se essa rua fosse minha…
O Segundo Jane’s Walk Santos abordou a temática inspirada na cantiga de roda: Se essa rua fosse minha, com o objetivo de refletir sobre a apropriação dos espaços públicos e privados pelos cidadãos santista.
Realizado em 05 de maio de 2018, no bairro Aparecida, a caminhada contou com mais de 60 cidadãos que compartilharam suas histórias em 10 pontos de paradas, tendo início na fonte do sapo e término na praça do conjunto habitacional conhecido como BNH Santos.
Relatos e experiências de um bairro que vem mudando rapidamente na cidade, revelaram como o desenho da cidade tem substituído os espaços de convívio pelos muros e fachadas cegas, que só desestimulam o hábito de caminhar. Na caminhada foi possível perceber que desenho da cidade não é uma forma esvaziada de sentido, é a forma socialmente gerada em um momento histórico específico, pois é a representação concreta da nossa ação em sociedade. Os muros, gradeamentos e cercamentos cerceiam o direito de livre circulação, especialmente do pedestre, da criança no espaço público da rua, da praça, lhe retiram a vitalidade urbana.
Com encerramento coletivo em uma roda, todos os participantes puderam expressar seus anseios e necessidades de mudança, cantando em uma só voz, uma versão adaptada da cantiga de rua, assinada pelo compositor Rafael Schwantes e Raquel Schwantes:
Se essa rua, se essa rua fosse minha
Eu mandava construir o meu playground
Com parquinhos de gangorras e balanços
e levar os meus filhos para brincar
Nessa praça só tem carro e fumaça
Todo verde deu lugar à construção
Perto dela mora muita, muita gente
que respira toda essa poluição
Se eu gritei para chamar sua atenção
É porque tu roubaste o meu lazer
Se eu tomei, se tomei o seu espaço
É porque eu não tenho mais também…